0

Carrinho

Nem tão cedo vamos esquecer o que aconteceu em Março. Tínhamos planos para um mês em cheio, desde logo com o início da nossa série de jantares “De Raiz”. Era suposto arrancar a 14 de Março, com o senhor João Vieira (uma das principais figuras por trás da ressurreição do trigo barbela), e continuar com muitos outros produtores à nossa volta – aqueles que acreditamos serem os melhores a trabalhar no nosso país.

Seriam experiências inesquecíveis, de partilha entre quem produz com toda a paixão e quem olha para o mundo da alimentação e da produção alimentar como muito mais do que uma mera necessidade fisiológica. Seriam oportunidades para aproximar produtores de consumidores, algo raro nos dias que correm. Seria mais uma forma de materializarmos a nossa missão de criar um mundo mais consciente, saudável e sustentável através de momentos únicos à volta da mesa.

Mas o COVID-19 chegou e levou-nos praticamente tudo. Levou-nos aqueles que apareciam diariamente para almoçar ou para comprar produtos da despensa. Levou-nos a liberdade e a possibilidade de juntar desconhecidos à nossa mesa para viver estas experiências.

Felizmente, olhando agora para trás, aquilo que sobrou afinal foi muito. Primeiro, materializou-se no enorme apoio que recebemos através da compra de vouchers para usar mais tarde – quando tudo voltar o mais perto possível do normal. Depois, traduziu-se num número de encomendas para entrega ao domicílio e takeaway muito superior àquilo que estimávamos vir a acontecer.

O nosso sentimento transversal tem sido de enorme gratidão por, num momento que é de crise para praticamente todos, ver tanta gente empenhada em manter o nosso projecto de pé e com força para seguir em frente. Com uma equipa reduzida a duas pessoas, o volume de trabalho tem-se acumulado muito para lá do normal – com jornadas que se prolongam por 15 ou 16 horas. É o feedback que recebemos diariamente que nos faz continuar com a energia necessária para resistir.

Como sabes, o estado de emergência faz neste momento parte do passado. O desconfinamento progressivo vai permitir aos restaurantes regressar, em parte, à sua actividade a partir do dia 18 de Maio, embora em condições muito específicas. Olhando para tudo o que tem sido dito e discutido, será necessário um esforço significativo para garantir o cumprimento de todas as exigências e a completa higienização e segurança dos espaços. Ao ponto de, em muitos casos, ser necessário ter funcionários 100% dedicados a estes procedimentos de limpeza e desinfecção. Será isso viável num sector já de si só tão abalado pelos últimos quase dois meses?

No nosso caso, estamos preparados para continuar neste modelo de entregas e takeaway durante mais algum tempo, seguramente para lá do dia 18. Temos uma mesa única, com um número bastante reduzido de lugares. Junta a isso a utilização obrigatória de máscaras e está criado um cenário muito afastado daquele que imaginamos para a nossa sala – sem a proximidade e a ligação entre pessoas que tanto valorizamos. Neste momento, não conseguimos imaginar-nos de porta aberta nestas condições.

Queremos esperar para acompanhar a evolução da pandemia, para mais tarde revermos a nossa posição. Até lá, prometemos como sempre dar-te o nosso melhor no modelo actual, semana após semana, fiéis aos princípios que sustentam os Kitchen Dates. Vamos trazer-te novidades com regularidade, e esperamos que correspondam ao que esperas de nós. Ou que te surpreendamos pela positiva, claro!